Páginas

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Fumo em locais apertadinhos



Descoberta

¨O primeiro protetor de testículos foi criado em 1874.
¨O primeiro capacete pra proteção de cabeça foi
 usado em 1974.
¨CONCLUSÃO:
¨Foi necessário um século para que os homens
percebessem que o cérebro também é
importante.

Saco cheio?



Dica

¨¨CASE COM UMA PESSOA QUE SAIBA COZINHAR.A BELEZA ACABA,A FOME,
NUNCA!

Que paisagem!



Conto de fadas

Luiz Fernando Veríssimo


Era uma vez, numa terra muito distante, uma linda princesa, independente e cheia de auto-estima que, enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo estava de acordo com as conformidades ecológicas, se deparou com uma rã.
Então, a rã pulou para o seu colo e disse:
– Linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Uma bruxa má lançou-me um encanto e eu transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me transformar de novo num belo príncipe e poderemos casar e constituir lar feliz no teu lindo castelo. A minha mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu jantar, lavarias as minhas roupas, criarias os nossos filhos e viveríamos felizes para sempre…
Naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria e pensava:
Nem morta!

De leve



Depois da orgia

Augusto dos Anjos

O prazer que na orgia a hetaíra goza
Produz no meu sensorium de bacante
O efeito de uma túnica brilhante
Cobrindo ampla apostema escrofulosa!

Troveja! E anelo ter, sôfrega e ansiosa,
O sistema nervoso de um gigante
Para sofrer na minha carne estuante
A dor da força cósmica furiosa.

Apraz-me, enfim, despindo a última alfaia
Que ao comércio dos homens me traz presa,
Livre deste cadeado de peçonha,

Semelhante a um cachorro de atalaia
Às decomposições da Natureza,
Ficar latindo minha dor medonha!


quinta-feira, 20 de julho de 2017

Noticia importante para o governo Temer

Simone da dupla com 
Simaria mostra seu
quarto luxuoso.
Silvia Heringer e Simone (Foto: Reprodução)


Daltônicos são violentos



Lero de adolescente

                      Amor você quer vir
                      aqui em casa hoje?
                   Hoje não posso estou
                 ensaiando com a banda.
               Que pena,meus pais não
                         estão em casa. 
                       CHEGO JÁ AÍ.
banda gif
     

Quem manda




Caicoense oferece 5 milhões de reais para quem casar com sua filha


Resultado de imagem para fotos de mulheres feias

Você tem o sonho de casar? E se alguém te oferecer dinheiro, mas muito dinheiro mesmo para isso, você aceitaria? É o que um empresário de Caicó garante para quem casar com sua filha, são cerca de 5 milhões de reais, mas é claro que tem uma condição: Esse casamento deve durar pelo menos 4 anos, ou o dinheiro deve ser devolvido e ainda com os juros.O empresário Gilson Cambista de 47 anos, é do ramo de diversão. A garota é extremamente ciumenta, já colocou uma faca no pescoço de um ex-namorado por que ele recebeu um SMS da operadora desejando-lhe um feliz aniversário na madrugada do aniversario dele. Também já eletrocutou um outro namorado porque ele olhou para uma mulher que passava na rua, Ela também exige ter acesso as senhas de e-mails e redes sociais do namorado. “Quem aceitar se casar com ela merece mesmo os 5 milhões”, disse o empresario pai de Malu Lins.

O amor é foda



Acordo familiar

Everaldo dos Santos

"Lá em casa eu e minha mulher temos um acordo.Eu tenho uma arma,ela tem outra.
Entre nós não existe agressão.Temos medo
de um levar um tiro um do outro.Trouxemos
o conceito de guerra fria para o ambiente domestico."

Em todo lugar tem um idiota



quarta-feira, 19 de julho de 2017

Diarreias mentais - XLIII


Histórias em quadrinhos 

Por volta das décadas de 1950/60, lá no nosso velho Seridó, entre as nossas diversões destacavam-se as famosas revistas de histórias em quadrinhos, publicadas, salvo engano, pelas editoras Rio Gráfica, Ebal, Globo e Disney, entre outras.  Através daquelas revistinhas (principalmente “O Guri” e “O Gibi”) viajávamos nas aventuras mirabolantes dos nossos invencíveis heróis, muitos deles adotados pelo cinema, todos lutando bravamente contra cientistas loucos, espiões cruéis, hábeis assassinos e índios malvados. 
Fazíamos, da calçada do Cine Pax, a “feira de trocas”. Na frente do cinema, antes de cada sessão, funcionava o troca-troca de revistas em quadrinhos, figurinhas e estampas Eucalol (com aquele perfume característico), assunto que já enfatizei em capítulo anterior sobre cinema.    
Encantávamo-nos com as criações de Lee Falk: Fantasma e Mandrake. Entramos muitas vezes na Caverna da Caveira, onde se abrigava o nosso herói Fantasma – “o espírito que anda”, com o seu lobo, Capeto, e o seu cavalo branco, Herói; não esquecendo que, quando ele esmurrava, o seu anel deixava a marca da caveira impressa no rosto dos bandidos. As mágicas de Mandrake impressionavam todos nós. Ele morava em Xanadu e seu ajudante era o brutamontes Lotar. 
Quem não voou com a Família Marvel? O Capitão Marvel, sua irmã Mary Marvel e o Capitão Marvel Junior. Todos nós sabíamos que o humilde jornaleiro Billy Batson, quando gritava a palavra mágica “Shazam”, adquiria grandes poderes. Lembram-se do que significava “Shazam”? As iniciais dos seis deuses do Olimpo: Salomão, Hércules, Atlas, Zeus, Aquiles e Mercúrio. E o Capitão Marvel, ao pronunciar essa palavra, acumulava as qualidades de todos eles. O interessante é que a Família Marvel lutava sempre contra um único vilão: o maléfico Doutor Silvana, careca, baixinho, feio e sempre vestido de branco. 
E a magia daqueles faroestes? Roy Rogers com o seu garboso cavalo Trigger. Haja tiros dados nos pobres dos índios seminus, perseguidos por Gene Autry, Rex Allen, Bill Elliott, Rock Lane, Hopalong Cassidy, Tom Mix, Buck Jones, Tex Ritter e outros menos votados. Lembram como denominávamos os ajudantes dos “artistas”? Eram “os doidelos”, dizíamos nós.  Naquele tempo, nós inventávamos muitas máscaras e capas para imitar o Zorro que, montado em seu cavalo branco (“Alô, Silver!”), só disparava balas de prata e tinha um fiel escudeiro índio chamado Tonto, que montava um cavalo denominado Escoteiro. Também improvisávamos muitos chicotes para imitar o habilidoso Don Chicote. 
Existiam também histórias em quadrinhos de índios heróis: como Apache Kid e Flecha Ligeira. Também tivemos bons caçadores, que eram batedores do Exército Americano:  Daniel Boone, Davy Crockett, Kid Carson e o famoso Buffalo Bill. Existiu também, por algum tempo, uma revistinha, estreita e em forma de tira, chamada O Pequeno Xerife.  
Certo tempo, apareceu um herói nacional também projetado em revistas em quadrinhos: Jerônimo, o Herói do Sertão. Um cavaleiro solitário que defendia a cidade hipotética de Cerro Bravo, que ficava não sei onde, contra os bandoleiros Perneta, Caveira e Corisco. O seu companheiro de lutas contra as injustiças sociais era o Moleque Saci.  
As expedições nas selvas africanas eram vividas por Tarzan, o Rei das Selvas (uma criação de Edgar Rice Burroughs), acompanhado de Jane, Boy e a macaca Chita, que viajavam pelas copas das altas árvores, pendurados em fortes cipós. Vibrávamos com Jim das Selvas e Lorna, a Rainha das Selvas. Quantas vezes caímos de árvores e de cordas tentando imitar esses heróis das selvas? 
E o Super-Homem (Superman) e a sua visão de Raios X? Ainda bebê, chegou ao Planeta Terra vindo do seu Planeta Krypton (que foi destruído) no foguete que caiu no jardim do casal Jonathan Kent, que adotou o nosso herói. Já adulto, quando não estava salvando o mundo, era o pacato jornalista Clark Kent.  
Em Gotham City morava o pacífico cidadão Bruce Wayne que, em defesa da lei e da ordem, transformava-se no imortal Batman, dirigindo o seu veloz Bat-Móvel e acompanhado pelo seu fiel escudeiro Robin, ambos assessorados pelo mordomo Alfred, na Bat-Caverna. Estes heróis também foram eternizados pelo cinema. 
Quem gostava de aventuras interplanetárias e fatos que, presumivelmente, estavam ocorrendo no futuro (suas histórias passavam-se em 2030), poderia ler as aventuras de Flash Gordon. Suas eternas batalhas eram travadas contra o terrível Doutor Ming e todos usavam velocíssimos foguetes. 
E aquele personagem que não sabíamos se era herói ou vilão? Um dos mais velhos heróis de revistas em quadrinhos, criado em 1939  por Bill Everett. Ele era um jovem príncipe de uma estranha raça de anfíbios, um mutante que vivia na terra, no mar e no ar: Namor, o Príncipe Submarino. Naturalmente originário de Atlântida, o príncipe Namor tinha como companheira, nas suas aventuras, sua prima, a princesa Namora, e ambos fizeram uma guerra de espionagem contra o homem-branco (ou o homem da superfície) que até hoje não sabemos se eles foram heróis ou vilões.  
Não poderia deixar de falar também a respeito de um dos mais populares e importantes heróis da nossa geração (como de outras, posteriormente): Homem Aranha (Spider Man), identidade secreta de Peter Benjamim Parker. Foi uma criação do bem-sucedido produtor de histórias em quadrinhos, Stan Lee. O Homem Aranha vem resistindo ao tempo e readquiriu fama e novos admiradores, principalmente depois dos rendosos filmes recentemente lançados pela indústria cinematográfica. 
Naquela época ainda não tínhamos sagacidade para notar, porém hoje, revendo as histórias desses heróis, verificamos que todos eles eram solteirões inveterados, apesar de terem namoradas fixas. Senão, vejamos: o Fantasma namorou eternamente Diane Parker; Mandrake nunca se casou com sua namorada Narda; Roy Rogers nunca pediu em casamento a sua eterna namorada Dale Evans; nunca assistimos ao casório de Tarzan com Jane (como poderia, na solidão da selva?); o Super-Homem namorou indefinidamente Lois Lane; Flash Gordon nunca teve tempo de casar-se com Dale Arden, sua constante namorada, e Aninha foi a perpétua noiva de Jerônimo.  
Finalizando, gostaria de fazer outra observação, é que nossos pais sempre se opuseram às nossas revistas em quadrinhos. Acreditavam eles que as nossas leituras infantis atrapalhavam nossos estudos. Não sabiam eles que, enquanto nós líamos aquelas revistinhas, estávamos começando a adquirir o salutar hábito da leitura. As incontáveis vezes que minha mãe destruiu os nossos guris, “não está nos gibis” (eita trocadilho infeliz!).

Ciduca Barros é escritor e colaborador do Bar de Ferreirinha

Os políticos só pensam naquilo...

                              

Faz sentido



Objeto não identificado cai na zona rual de Ipueira



OVNI no Pará ?























Um objeto desconhecido está intrigando a população seridoense.Na zona rural do
município de Ipueira uma esfera revestida por um material parecido com aço
inoxidável, medindo cerca de 90 centímetros de diâmetro e de aproximadamente
um metro de altura,caiu na propriedade do empresário Toinho de Aníbal,e até o
momento não foi identificado.O local está isolado.

Coisas que nunca se vê

Roberto Carlos de bermuda.
Filho de puta chamado Júnior.
Genro com foto da sogra na carteira.
Ex: corno.
Santo de óculos.
Beliche de casal.
Papel higiênico em banheiro público.
Salário durar 30 dias.
O Pai do Pai de Santo.

Vamos agendar pra mais tarde



A moça do cafezinho




Numa empresa de grande porte, havia uma linda moça de seus 25 anos,
que servia o cafezinho.  O chefão da empresa era louco por ela. Um dia,
quando ela entrou em sua sala, com o cafezinho, ele pediu a ela que
fechasse a porta à chave. Tomou o cafezinho e excitado, disse:
- Não se ofenda, mas eu dou R$200,00 para você tirar a blusa. 
Ela guardou os R$200 e tirou a blusa.
O patrão continuou:
- R$300,00 para você tirar a saia. 
Ela guardou os R$300 e tirou a saia, mostrando suas lindas coxas.
Mais excitado disse:
- R$500,00 para você tirar o sutiã. 
Ela guardou os R$500 e tirou o sutiã, mostrando seus lindos seios durinhos.
O patrão  que já estava "pra lá de Bagdá", disse:
- Agora R$700,00 para tirar a calcinha. 
Ela guardou os R$700 e tirou a calcinha.
Com a voz trêmula, disse entusiasmado:
- Diga quanto você quer para transar comigo!
A moça respondeu inocentemente:
- O que eu cobro de todo mundo aqui na empresa é R$50,00!


Olho mágico



terça-feira, 18 de julho de 2017

De ficar atrapalhado

Ivar Hartmann

Diz a Dilma: Lula é o chefe dos pobres. Diz o Odebrecht: Lula é o chefe dos ladrões. Dizem os senadores do PT: condenar Lula é parte do golpe. Dizem os senadores contrários: condenar Lula é a moralização do setor público. Dizem petistas proeminentes: a sentença vai fortalecer Lula. Dizem os adversários: agora está demonstrado que é corrupto. Dizem os eleitores de Lula: ele é o primeiro das pesquisas e assim continuará. Dizem os que não votam nele: para mim tanto faz, não ia votar mesmo. Dizem seus advogados: vamos recorrer, ele é inocente. Dizem os promotores que o denunciaram: vamos recorrer, a sentença foi muito branda, ele cometeu reiteradas vezes o mesmo crime. E, por aí vai. Ou o juiz Moro está certo e o bandido Lula tem de ir para a cadeia, ou o réu Lula não fez nada e o Juiz Moro julgou de forma mal intencionada. Não escapa disso. Vamos supor que o Brasil seja uma balança daquelas de antigamente, de colocar pesos nos dois pratos. Temos um prato com o juiz Moro e outro prato com o réu Lula.
Não vamos falar dos termos da sentença porque, enquanto para uns o julgamento foi baseado em nada, para outros o julgamento foi decidido pela prova. Como a imensa maioria de nós não entende de inquérito, processo, testemunhas, prova e sentença, que fazer nesse labirinto? Quem tem razão? Quem diz a verdade, Moro ou Lula? Porque é evidente a dicotomia. Lembrei-me de meu pai, aliás, quanto mais velho fico, mais me lembro deles. Pois meu pai saiu da colônia alemã de Montenegro para casar e constituir família em Não Me Toque. E tinha alguns ditados que não sei de onde tirou, mas que levava ao pé da letra e frutos da inteligência popular. Um deles: “Diga-me com quem tu andas, te direi quem és.” Na prática isto é uma obviedade. Se ando com bêbados, ébrio serei. Se ando com jogadores, apostador serei. Se ando com crentes, religioso serei. Não há como fugir da regra, porque, como também dizem: o igual, seu igual procura. Agora, voltemos ao Moro e ao Lula. Qual tem razão? Moro é um juiz ruim, ou Lula é ladrão mesmo? Quem são os amigos de Moro? Ele tem bandidos entre amigos e pessoas chegadas? Ou tem partes de seu passado obscuras, como vender sentença? E Lula? Tem bandidos entre seus  amigos e pessoas chegadas? Ou tem partes de seu passado obscuras, como vender concorrências? Sem querer formar opinião do leitor. Responda e terás a verdade.
ivar4hartmann@gmail.com

Cuidando das unhas



Lero de seu Lunga

-Certo dia um filho de seu Lunga cai de bicicleta e
fica bastante machucado.Seu Lunga leva o filho
para o hospital,lá chegando a enfermeira pergunta:
-Moço o Sr: é o pai?
-Seu Lunga responde: 
-Não.Eu sou a mãe.

Grande e duro